O MERCADO

Big Brother: jovem gestor conta desafios do controle operacional no metrô

Aos 29 anos, Leonardo Balbino está à frente do centro de controle operacional da CCR Metrô Bahia. Ele e a equipe que o acompanha são como o Big Brother do metrô, na referência ao personagem criado por George Orwell no livro 1984. Na ficção, o personagem tinha controle de todas as coisas que aconteciam em uma sociedade vigiada. Na vida real, o controle sobre tudo o que envolve o metrô dá à equipe uma grande responsabilidade: garantir a normalidade das operações com toda a segurança e tomar decisões rápidas diante de quaisquer necessidades ou imprevistos. “Estamos sempre monitorando tudo: são mais de mil câmeras em operação, tem os trens, os terminais de ônibus, a tripulação… Tudo o que acontece no sistema cai no centro de controle. Sabemos de tudo e, com isso, damos o apoio necessário para as equipes de campo”.

Como o monitoramento envolve todas as operações do sistema, o centro de controle está permanentemente em contato com diversas outras áreas do metrô, para que cada uma seja informada e acionada quando necessário. “Se a gente tem algum problema no meio da via, por exemplo, temos que dar as tratativas para restabelecer o sistema o mais rápido possível”, conta Leonardo. O trabalho é feito 24 horas por dia, sete dias por semana, entre operação e manutenção; cerca de 81 mil passageiros/dia utilizam o transporte; 44 telas mostram as imagens captadas em mais de mil câmeras ao longo de 15,5 quilômetros da malha; trechos podem ser energizados e desenergizados, de acordo com a necessidade. Isso sem contar as estratégias especiais definidas para eventos, como o Carnaval, por exemplo.

Sendo assim, o cotidiano tem muito pouco de rotina. Todos os dias há novos aprendizados. “Normalmente, as coisas são totalmente inesperadas. É muito dinâmico e isso é muito legal. Sabemos que a qualquer momento pode acontecer algo e teremos que lidar com isso”. E será que cansa? Ele garante que é o contrário. “A gente não se acostuma. É muito bom”.

É assim que Leonardo encara o papel profissional e de liderança à frente de uma equipe de 34 colaboradores. Na bagagem, carrega a formação em Engenharia Elétrica, quatro anos como funcionário da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), onde assumiu, com 25 anos, o primeiro cargo em coordenação; e cerca de três anos mais na CCR Metrô Bahia, onde já esteve, também, à frente da Engenharia de Atendimento.

“Quando me perguntaram se eu queria assumir o centro de controle operacional, foi um desafio muito grande. Mas aqui foi uma experiência muito boa, pois tive a oportunidade de acompanhar a implantação desde o início, sempre apoiado por pessoas que conhecem muito dos processos”. Agora, já apropriado de todas as responsabilidades que a função impõe, Leonardo diz que a mira está na melhoria dos processos para, em última instância, melhorar a experiência dos usuários do metrô.

Inovação em processos

É com esse objetivo que ele acredita ser necessário investir em inovação, porque aperfeiçoar o que é feito no âmbito do controle operacional é decisivo para outras áreas da empresa e para o funcionamento do próprio metrô.

Isso quer dizer que o monitoramento desse Big Brother não está voltado somente ao que está acontecendo nas estações, nos trens e nas linhas, mas também para cada procedimento realizado dentro do próprio centro de controle. Leonardo explica que esse acompanhamento permite melhorar os procedimentos aplicados nas diferentes situações que chegam à coordenação. “Temos que colocar todos para agir de formas semelhantes. Por isso estamos sempre alinhando e analisando os procedimentos para aprimorar esses fluxos e acelerar o processo decisório. Se tivermos uma ocorrência, em menos de um minuto, precisamos saber o que vamos fazer.”

Ao final, ele diz que o objetivo é melhorar o transporte, para que atenda aos passageiros cada vez mais exigentes, e também melhorar a mobilidade urbana. “Essa preocupação que temos é um diferencial e, lá no final, quem será beneficiado será o usuário. Queremos melhorar os processos internos para que o cliente ache que valeu a pena utilizar o serviço.”

FONTE: Anptrilhos.org.br

ubm white

   Conectando pessoas e o mercado global

 

UBM é a maior empresa organizadora de eventos B2B no mundo. Nosso profundo conhecimento e paixão pelos setores da indústria que servimos nos permitem criar experiências valiosas onde as pessoas atingem seu sucesso. Em nossos eventos, as pessoas criam relacionamentos, fecham acordos e crescem seus negócios.

Nossos mais de 3.750 funcionários, com sede em mais de 20 países, atendem mais de 50 diferentes setores da indústria. No Brasil atuamos nos setores da saúde, logística, ingredientes alimentícios, construção civil, construção naval e metroferroviária. Essa rede de relacionamento global com pessoas apaixonadas e líderes de eventos oferece oportunidades únicas para que os empresários alcancem suas ambições. .

 

Filiada à     

 ubrafe branco

Newsletter

entrada invalida
entrada invalida
entrada invalida
e-mail invalido
Entrada Inválida