ABOUT THE MARKET

PreviousNext

Há 20 anos partia o último trem de São Paulo rumo a Presidente Prudente

A exatamente 20 anos, partia o último trem de passageiros entre São Paulo e Presidente Prudente, passando por Sorocaba, Botucatu e Bauru.

Para falar desta ligação ferroviária, temos que primeiro lembrar da Estrada de Ferro Sorocabana fundada em 1872.

A chamada linha tronco, entre São Paulo que ia até a cidade de Presidente Epitácio foi concluída em 1922 nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais.

Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, com suas linhas incorporadas pela EFS.

Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. Sobre a Fepasa, a gente deve fazer um vídeo só para ela porque esta historia merece.

Durante todo este período, diversos tipos de trens trafegaram pela linha principal da Sorocabana, desde trens simples, como trens mais luxuosos, inclusive com vagões restaurantes.

Dos anos 1920 aos 1950 era possível viajar de trem a Presidente Epitácio e ali tomar um vapor para Foz do Iguaçu.

As primeiras locomotivas que puxaram os trens de passageiros foram as locomotivas a vapor, que duraram até o início dos anos 1960 na linha-tronco. As diesel começaram a operar no final dos anos 1940 e as elétricas entre 1944 a 1999. Até Assis havia eletrificação, que chegou a seu ponto máximo nessa cidade no ano de 1966. Depois de Assis, esses trens passavam a ser tracionados por locomotivas.

Enquanto isso, a frequência dos trens foi diminuindo, e a concorrência com o transporte rodoviário foi ficando cada vez mais acirrada.

Na década de 70, a Fepasa chegou a ter 39 trens de passageiros diários cobrindo todos os eixos geográficos de São Paulo e cidades de Estados vizinhos.

Em 1998 sobrou apenas o trem São Paulo-Presidente Prudente com uma viagem que durava 15 horas. A passagem custa R$ 29,50, um pouco menos que a da viagem de ônibus: R$ 37,64 para sete horas na estrada.

Em primeiro de janeiro de 1999, a malha ferroviária paulista passa a ser operada pela Ferroban (Ferrovias Bandeirantes S/A), vencedora do leilão de desestatização da Malha Paulista da RFFSA (ex-Fepasa) realizado em 10 de dezembro de 1998.

Todos os trens de passageiros ainda na ativa são “suspensos” pela nova concessionária em 18 de janeiro de 1999, sob a alegação de que o serviço era precário e oferecia risco aos usuários.

Mas como o edital de concessão da Malha Paulista obrigava a manutenção de ‘serviços de passageiros’ – não especificando quais – pelo prazo de mais um ano, algumas linhas são retomadas em primeiro de agosto de 1999:

– Sorocaba- Apiaí

– Itirapina-São José do Rio Preto

– Campinas-Panorama

Estes serviços foram cancelados em 2001. A falta de investimentos no transporte ferroviário matou entre diversos ramais brasileiros, o trem de passageiros paulista. O país ficou refém apenas de um meio de transporte.

Hoje, em 2019 se fala na retomada de serviços de média e longa distância. A primeira linha a ser retomada é entre São paulo e americana, passando por campinas, com trens mais velozes.

Fonte: Via Trolebus.

ubm white

 

 

Newsletter

Invalid Input
Invalid Input
Invalid Input
Invalid Input
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida