NT EXPO - Negócios nos Trilhos é o principal ponto de encontro do setor ferroviário na América Latina

 

15-17 de março de 2022

Local: São Paulo Expo - SP

Governo Federal lança programa para impulsionar a construção de ferrovias



 

Através do programa “Pro Trilhos”, criado pelo Governo Federal, foram assinados requerimentos para construção de 11 trechos de ferrovias

 

Fonte: Click Petróleo e Gás

 

O Ministério da Infraestrutura informou, por meio de um comunicado, que após Medida Provisória que viabiliza o programa Pro Trilhos, do Governo Federal, já recebeu 11 pedidos de autorização para construção de ferrovias pelo país. Juntas, as solicitações somam 3,3 mil quilômetros de novos trilhos e R$ 53,5 bilhões de investimentos. 

 

O programa Pro Trilhos, do Governo Federal

O Pro Trilhos foi instituído pela Medida Provisória nº 1.065/21 visando aumentar a atratividade do setor privado para realizar investimentos em ferrovias, sejam elas por meio de novos empreendimentos ou utilizando ferrovia já existente.

Durante a cerimônia de lançamento, foram assinados requerimentos de autorização ferroviária para construção de 11 trechos de ferrovias. Juntas, as solicitações somam 3,3 mil quilômetros de novos trilhos e R$ 53,5 bilhões de investimentos. As novas ferrovias cortam cidades de nove estados em quatro regiões brasileiras: Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Piauí e São Paulo.

Com a formalização dos pedidos, os requerimentos começam a ser avaliados pelo Ministério da Infraestrutura, responsável por emitir as autorizações, caso os empreendimentos cumpram todos os requisitos exigidos pelo Governo Federal. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que as medidas adotadas pelo Governo Federal no setor estão promovendo a maior revolução ferroviária dos últimos anos.

“Estamos celebrando a nossa independência logística. A gente está celebrando o resgate do módulo ferroviário”, afirmou.

 

Construção de nova ferrovia entre Minas Gerais e o Espírito Santo

A construção da Estrada de Ferro Minas-Espírito Santo (EFMES) está mais próxima de se concretizar. A ferrovia é planejada para ligar o Centro Portuário de São Mateus, no estado do Espírito Santo a Ipatinga, em Minas Gerais, e o início de obras é previsto para 2023. Ao todo, 3.500 profissionais serão contratados para trabalhar nas obras de construção da malha, sendo aproximadamente duas mil vagas no estado do Espírito Santo, para diversos cargos.

O projeto inicial da ferrovia prevê a construção da nova estrada de ferro margeando a BR-381, com passagem por Barra de São Francisco, Nova Venécia e Governador Valadares, conforme apurou o Diário do Aço.

O empresário explicou que, em um segundo momento, há ainda o projeto da Petrocity para que a ferrovia chegue até Sete Lagoas, contornando a Serra do Tigre, que representa um gargalo ferroviário entre a região Centro-Oeste do país e os portos do Espírito Santo.

 

Já no Paraná, cerca de R$ 21,45 bilhões serão investidos na construção de dois novos trechos de ferrovia

Operadores logísticos se encontraram no Palácio do Planalto durante o lançamento do programa Pró Trilhos, iniciativa que deve ser uma vitrine das ações do governo na área.

A região sul do país recebeu boas notícias na abertura do setembro Ferroviário, temporada de ações federais para estimular a ampliação e a modernização das ferrovias. Estão previstos a construção de 571 quilômetros de novos trilhos cruzando municípios paranaenses, cujos investimentos somam R$ 21,45 bilhões.

A ferrovia Ferroeste apresentou propostas para construir e operar dois novos segmentos férreos no Paraná, ambos com conexão com um terminal portuário.

O primeiro vai de Guarapuava a Paranaguá, tem aproximadamente 405,2 quilômetros e cria nova opção de escoamento de cargas para o Porto de Paranaguá, um dos maiores do país.

O segundo trecho liga Cascavel a Foz do Iguaçu, possui extensão de 166 quilômetros e visa consolidar um corredor de transporte internacional de cargas, que também chega até o Porto de Paranaguá.

Agora, tais requerimentos começam a ser avaliados pelo Ministério da Infraestrutura (MInfra), responsável por emitir as autorizações. As autorizações das ferrovias têm potencial de aumentar a participação do modal dos atuais 20% para 40% da logística nacional de transportes até 2035.

 

Equipe NT Expo - Business on Rails