O MERCADO

Mão de obra especializada ferroviária poderá crescer nos próximos cinco anos

A carência de mão de obra especializada afeta diversos setores da economia, inclusive a indústria ferroviária. Um levantamento do Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil na  78ª posição, entre 124 países, no ranking mundial de qualificação de mão de obra. O estudo de 2015 avaliou o desempenho do país em educação, distribuição de mão de obra, mercado de trabalho, percepção de negócios e capacidade de treinamento das empresas, entre outros fatores.

Para o engenheiro civil e especialista ferroviário, Rafael Barros, a falta de escolas técnicas e de nível superior que ensinem conteúdos básicos sobre ferrovias e o atraso na liberação de obras de infraestrutura são os principais desafios enfrentados para o desenvolvimento de uma mão de obra de qualidade. “Temos uma carência de MO especializada na faixa etária de 30 a 40 anos, devido a total falta de investimento das concessionárias ferroviárias entre os anos 1990 a 2000 em treinamentos e especialização de funcionários de carreira que se identificam com a ferrovia e tenderiam a trabalhar neste mercado nos próximos anos”, afirma o engenheiro civil.

Mas, segundo Barros, a situação está aos poucos sendo revertida com mais ofertas de cursos de pós-graduação voltados para engenharia ferroviária de instituições de ensino superior como a Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Estácio-SP e Instituto Militar de Engenharia (IME) e de escolas técnicas ferroviárias para funcionários de concessionárias. “Com esses investimentos no ensino a deficiência em MO especializada poderá ser sanada nos próximos cinco anos”, acredita Barros.

O desenvolvimento de mão de obra para o setor ferroviária será tema de uma palestra ministrada pelo engenheiro civil em novembro na NT Expo - Negócios nos Trilhos. “Sempre tenho ótimas expectativas para a NT Expo porque além de ser de grande valia para o crescimento profissional através do conhecimento de novas tecnologias da área, temos uma oportunidade ímpar de fazermos um networking de qualidade em nosso setor ferroviário”.

Fonte: Conteúdo Empresarial

ubm white

 

 

Newsletter

entrada invalida
entrada invalida
entrada invalida
e-mail invalido
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida